.comment-link {margin-left:.6em;}

Blog do Armando Anache e "A luta de um repórter ..." http://aaanache.googlepages.com/home

"Tudo o que é verdade merece ser publicado, doa a quem doer" (Armando Anache) "De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver crescer as injustiças, de tanto ver agigantar-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar-se da virtude, a rir-se da honra, a ter vergonha de ser honesto" (Rui Barbosa) "Se pudesse decidir se devemos ter um governo sem jornais ou jornais sem governo, eu não vacilaria um instante em preferir o último" (Thomas Jefferson)

Minha foto
Nome:
Local: Pantanal de Mato Grosso do Sul, Brazil

Jornalista (MTb 15083/93/39/RJ) formado pela PUC-RJ em 1987 e radialista (MTb 091/MS)- Produtor de programas de rádio e repórter desde 1975; cursou engenharia eletrônica na UGF (Universidade Gama Filho, RJ) em 1978; formado pelo CPOR-RJ (Centro de Preparação de Oficias da Reserva), 1979, é oficial R/2 da reserva da arma de Engenharia do Exército; fundador e monitor da rádio PUC-RJ, 1983; repórter e editor do Sistema Globo de Rádio no Rio de Janeiro (1985 a 1987); coordenador de jornalismo do Sistema Globo de Rádio no Nordeste, Recife, PE(1988/1989);repórter da rádio Clube de Corumbá, MS (1975 a 2000); correspondente, em emissoras afiliadas no Pantanal, da rádio Voz da América (Voice Of America), de Washington, DC; repórter da rádio Independente de Aquidauana, MS (www.pantanalnews.com.br/radioindependente), desde 1985; editor do site Pantanal News (www.pantanalnews.com.br) e CPN (Central Pantaneira de Notícias), desde 1998; no blog desde 15 de junho de 2005. E-mails: armando@pantanalnews.com.br ; armandoaanache@yahoo.com

segunda-feira, janeiro 30, 2006

Artigo de Luiz Leitão: Baiano pela metade

"Baiano pela metade" é o título do artigo que recebo do colaborador do blog e do site Pantanal News, Luiz Leitão. Leia abaixo:

Baiano pela metade

O governador paulista Geraldo Alckmin, nascido na cidade de Pindamonhangaba (SP), disse, em campanha à presidência da Republica no nordeste, que é “um pouco baiano”, repetindo uma bobagem dita pelo cacique do partido, o ex-presidente FHC, que, certa feita, disse ser meio mulato.

Se a campanha de Alckmin começa neste nível de hipocrisia, já se inicia muito mal, pois os políticos têm o vício de achar que sabem e devem dizer o que povo quer ouvir, e não o aquilo que realmente precisa escutar: que serão necessários sacrifícios, se possível e preferencialmente das classes dominantes, dos políticos, muito mais que do povo carente que sempre vota num grão de esperança que nem sempre frutifica.

Não é à toa que a minissérie JK (Juscelino Kubitscheck) da rede Globo de televisão, que narra a história do ex-presidente brasileiro, dono de incomparável carisma, candidato a ser resgatado como super-herói de um passado um tanto recente, tem feito sucesso. Juscelino fez Brasília, fez estradas, indústrias automobilísticas, tudo isso à custa da inauguração da inflação no Brasil.

O sucesso do seriado da TV Globo demonstra que as pessoas procuram desesperadamente por um líder que resgate o país da mediocridade política em que chafurda atualmente. Todos querem um líder, um salvador da pátria, de preferência que não os submeta a mais sacrifícios – o que não deixa de ser correto -, mas quem é este homem?

Definitivamente, não é Lula da Silva, tampouco os podres políticos do passado recentíssimo que vêm saboreando uma espécie de resgate nas pesquisas de intenção de voto, tipo Orestes Quércia, que praticamente destruiu financeiramente o Estado de São Paulo.

Geraldo Alckmin foi um bom vice de Mário Covas – que se vivo estivesse, sem dúvida seria o atual presidente da República, com altíssima probabilidade de ser reeleito. Teve pudor, demorou semanas para instalar-se na cadeira do governador do Estado após a prematura morte de Covas, tem conduzido o Estado com razoável destreza, excetuando-se a teimosia em manter no cargo seu arrogante secretário da Segurança Pública, Saulo Ramos.

É um candidato livre, em final de mandato, que disputa uma peleja com José Serra pela candidatura à presidência. Serra está impedido pela palavra empenhada e registrada em cartório de que, se eleito, permaneceria prefeito de São Paulo até o final do mandato, e hoje renega a promessa feita, desonra a palavra empenhada.

São muito poucas e pobres as opções de candidatos viáveis à presidência da República; talvez daí brote este sentimento nostálgico por JK, que foi e fez muito menos que Getúlio Vargas; as pessoas parecem se sentir órfãs de esperança, e até têm razão, dada a rarefação de opções que têm.

Do PT, evidentemente brotará como candidato natural, Lula da Silva; do PMDB, uma incógnita entre Roberto Requião, governador do Estado do Paraná, o messiânico Anthony Garotinho – ainda sob ameaça de cassação de direitos políticos pelo TSE - e o politicamente insignificante presidente do Supremo Tribunal Federal, Nelson Jobim, que se acha muito, mas é tão arrogante que se torna um anão.

Sobra somente o vice-presidente José de Alencar, um neomessiânico, filiado ao PMR, o partido do “bispo” Edir Macedo e ninguém mais.

Talvez Alckmin seja uma boa opção, se cair na real e parar de dizer o que o povo quer ouvir, e passar a falar aquilo que ele precisa escutar. Quanto a Serra, que tenha a hombridade de honrar a palavra, dada por escrito e registrada em cartório. Se a sua vaidade superar a sua honra, estará dando um péssimo sinal e exemplo ao eleitorado e aos demais cidadãos.

Já aos deputados e senadores, vai ser difícil alguém conseguir galvanizar a confiança do eleitorado, depois do vexame do Mensalão, dos Correios, dos Bingos e da insepulta CPI do Banestado. E muito especialmente após o parcialíssimo julgamento do deputado Romeu Queiroz, réu confesso, absolvido por seus pares.

(*) Luiz Leitão
Articulista, Brasil
luizleitao@ebb.com.br

0 Comments:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home