.comment-link {margin-left:.6em;}

Blog do Armando Anache e "A luta de um repórter ..." http://aaanache.googlepages.com/home

"Tudo o que é verdade merece ser publicado, doa a quem doer" (Armando Anache) "De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver crescer as injustiças, de tanto ver agigantar-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar-se da virtude, a rir-se da honra, a ter vergonha de ser honesto" (Rui Barbosa) "Se pudesse decidir se devemos ter um governo sem jornais ou jornais sem governo, eu não vacilaria um instante em preferir o último" (Thomas Jefferson)

Minha foto
Nome:
Local: Pantanal de Mato Grosso do Sul, Brazil

Jornalista (MTb 15083/93/39/RJ) formado pela PUC-RJ em 1987 e radialista (MTb 091/MS)- Produtor de programas de rádio e repórter desde 1975; cursou engenharia eletrônica na UGF (Universidade Gama Filho, RJ) em 1978; formado pelo CPOR-RJ (Centro de Preparação de Oficias da Reserva), 1979, é oficial R/2 da reserva da arma de Engenharia do Exército; fundador e monitor da rádio PUC-RJ, 1983; repórter e editor do Sistema Globo de Rádio no Rio de Janeiro (1985 a 1987); coordenador de jornalismo do Sistema Globo de Rádio no Nordeste, Recife, PE(1988/1989);repórter da rádio Clube de Corumbá, MS (1975 a 2000); correspondente, em emissoras afiliadas no Pantanal, da rádio Voz da América (Voice Of America), de Washington, DC; repórter da rádio Independente de Aquidauana, MS (www.pantanalnews.com.br/radioindependente), desde 1985; editor do site Pantanal News (www.pantanalnews.com.br) e CPN (Central Pantaneira de Notícias), desde 1998; no blog desde 15 de junho de 2005. E-mails: armando@pantanalnews.com.br ; armandoaanache@yahoo.com

segunda-feira, dezembro 05, 2005

Jornalismo interativo

O blog publica artigo de Luiz Leitão, colaborador do site Pantanal News, que edito:

Jornalismo interativo
Por Luiz Leitão (*)

O jornalismo torna-se cada vez mais interativo, ou seja, os leitores participam da produção do jornal, seja sugerindo pautas, fazendo comentários em blogs ou escrevendo para as seções de cartas e reclamações – esta a forma mais antiga de participação.

No entanto, como articulista, poucos comentários recebo dos leitores, muitos dos quais, presumo, não se dão conta da importância de sua opinião e de uma eventual correção a um erro do artigo. Alguns colunistas e até mesmo o presidente do Supremo, Nelson Jobim, que está fazendo a maior antipropaganda eleitoral contra si, dizem- ou demonstram-, que não estão nem aí para o que a opinião alheia, e um colunista de revista disse que não se importa com o que pensam seus leitores, uma atitude que me parece pouco sábia, desrespeitosa com seu leitorado.

Todos têm como contribuir e nenhum colunista ou articulista é deus para se atribuir o monopólio da verdade.

Penso que todos os que permitem ou pedem que os veículos de comunicação publiquem seus endereços eletrônicos deveriam fazê-lo não com o intuito de aferir a repercussão de seus artigos, mas sim para manter um canal de comunicação com seus leitores.

Responder uma mensagem é obrigação, um ato de consideração para com aquele que se deu ao trabalho de escrever ao colunista, criticando ou elogiando, e já senti na pele o desprezo de muitos jornalistas aos quais me dirigi, que sequer se deram ao trabalho de confirmar o recebimento.

Nesta semana de 4 de dezembro, um colunista desceu o pau em vários colegas e sequer poupou de críticas alguns jornais de grande confiabilidade. De nada serve este tipo de comentário e outras grosserias, como ofender o povo cuiabano, ao afirmar "Eu não dou palestras. Não se trata de um problema moral. É uma questão puramente financeira. Pelas minhas contas, não vale a pena. O dinheiro não compensa. Se alguém me oferece 10.000 reais para dar uma palestra em Cuiabá, penso imediatamente que eu aceitaria pagar 15. 000 reais para não ter de ir a Cuiabá. Fui um jovem muito ambicioso, sobretudo no campo literário. Minha maior ambição, hoje em dia, é jamais, em hipótese alguma, colocar os pés em Cuiabá."Veja nº 1.905 (de 18/5/05)

É preciso respeitar aqueles que defendem opiniões contrárias, e os que propagam mentiras podem ser criticados em público, sim, desde que com observações bem fundamentadas.

Como articulista, peço sempre que o editor publique meu endereço eletrônico (atualmente dois, por garantia) e asseguro aos leitores que desejarem me escrever que ninguém ficará sem resposta, a menos que o e-mail não chegue ao destino, o que não é incomum. Se não obtiverem resposta, por favor insistam, pois certamente será problema da Internet ou do provedor. Pode acontecer também de este que vos escreve estar adoentado, mas se o e-mail chegar a resposta será enviada.

Dos poucos e-mails que recebo, leio introduções como ‘ desculpe-me tomar seu precioso tempo, mas...’. Ora, o tempo do leitor também é precioso e não há nada que me deixe mais feliz do que receber uma mensagem, seja de crítica, seja uma correção, uma dúvida, etc.

Jornalismo é comunicação e entendo este conceito como sendo uma via de mão dupla. Ninguém é tão ocupado que não possa responder a um leitor. Faço apenas um reparo: o endereço eletrônico publicado é exclusivamente dedicado aos leitores e utilizá-lo para mandar mensagens de propaganda é um ato deplorável; há meios menos cômodos e mais eficazes de se trabalhar com vendas. Todo e-mail de propaganda que recebo vai direto para o lixo, e tenho recebido ofertas de ‘cirurgia plástica’ disfarçadas de email pessoal, e até de garotas de programa. Os de plástica, encaminho diretamente para o Conselho Federal de Medicina.

(*) Luiz Leitão
Articulista, Brasil
luizleitao@allsites.com.br
luizmleitao@gmail.com

0 Comments:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home