.comment-link {margin-left:.6em;}

Blog do Armando Anache e "A luta de um repórter ..." http://aaanache.googlepages.com/home

"Tudo o que é verdade merece ser publicado, doa a quem doer" (Armando Anache) "De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver crescer as injustiças, de tanto ver agigantar-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar-se da virtude, a rir-se da honra, a ter vergonha de ser honesto" (Rui Barbosa) "Se pudesse decidir se devemos ter um governo sem jornais ou jornais sem governo, eu não vacilaria um instante em preferir o último" (Thomas Jefferson)

Minha foto
Nome:
Local: Pantanal de Mato Grosso do Sul, Brazil

Jornalista (MTb 15083/93/39/RJ) formado pela PUC-RJ em 1987 e radialista (MTb 091/MS)- Produtor de programas de rádio e repórter desde 1975; cursou engenharia eletrônica na UGF (Universidade Gama Filho, RJ) em 1978; formado pelo CPOR-RJ (Centro de Preparação de Oficias da Reserva), 1979, é oficial R/2 da reserva da arma de Engenharia do Exército; fundador e monitor da rádio PUC-RJ, 1983; repórter e editor do Sistema Globo de Rádio no Rio de Janeiro (1985 a 1987); coordenador de jornalismo do Sistema Globo de Rádio no Nordeste, Recife, PE(1988/1989);repórter da rádio Clube de Corumbá, MS (1975 a 2000); correspondente, em emissoras afiliadas no Pantanal, da rádio Voz da América (Voice Of America), de Washington, DC; repórter da rádio Independente de Aquidauana, MS (www.pantanalnews.com.br/radioindependente), desde 1985; editor do site Pantanal News (www.pantanalnews.com.br) e CPN (Central Pantaneira de Notícias), desde 1998; no blog desde 15 de junho de 2005. E-mails: armando@pantanalnews.com.br ; armandoaanache@yahoo.com

terça-feira, maio 30, 2006

Artigo de Luiz Leitão: Pior que o mensalão

O blog recebe e publica abaixo o artigo "Pior que o mensalão", de autoria do colaborador do site Pantanal News, Luiz Leitão:

Pior que o mensalão
Por Luiz Leitão (*)

Não gosto de lugares-comuns, eles empobrecem o texto, denotam falta de criatividade. Mas cometerei um pecado e usarei um neste artigo. Bem, o que os leitores talvez já leram e será comentado neste arquivo, é, talvez, mais uma ponta do Iceberg da corrupção que inunda nosso país.

Graças aos céus, temos um órgão, a CGU – Controladoria Geral da União que faz justamente isto, controla. Pois esta autarquia, diligentemente dirigido em caráter interino, uma pena, pelo senhor Jorge Hage, que Deus lhe dê vida longa, descobriu falcatruas em 77% das prefeituras deste Brasil, 602, para ser exato, mas – detalhe importante, num universo de apenasmente, como dizia Odorico Paraguaçu 780 prefeiruras fiscalizadas, ou seja três em cada quatro prefeituras brasileiras. Mas ocorre que o Brasil tem nada mais, nada menos que 5560 prefeituras, de sorte que esta quantidade de 780 é só uma amostragem, pouco mais que 10% dos municípios. A ser mantida a proporção, apenas para raciocínio, visto que pode haver regiões onde o ponteiro do corruptômetro aponte ainda mais para cima, vejamos que 77% de 5560 dá 4.281 prefeituras. Com números tão robustos, podemos dizer que, mais uma vez, nossos homens públicos se superaram.

Temos um vasto cardápio de infrações, todas gravíssimas, creditadas a “n” prefeituras; há Estados com 100% de roubalheiras em prefeituras. São Francisco do Conde (BA) ostenta o inacreditável índice de 56 reprovadas entre 59 prefeituras fiscalizadas. São, entre outras tramóias, transações entre empresas de parentes com prefeituras, “tudo em casa”, diríamos.

Santo Deus, nós temos neste Brasil, tão lindamente cantado em prosa e verso, oito Estados em que a corrupção atinge a totalidade (100%, para quem aprecia números).

A CGU, não raro, requista a proteção da Polícia Federal, o que demonstra que vivemos à mercê de gângsteres, ainda que mais ou menos amadores.

Estes homes da CGU, são raridades neste oceano de corrupção que banha o Brasil. Há dúvida de que boa parte das 5.560 prefeituras envolvidas em trampolinagens ultrapassa, em muito, os valores envolvidos no Mensalão? Mas prefeitos podem e devem ser jugados pelos TJs, os Tribunais de Justiça dos Estados, um foro não privilegiado; podem ser encanados pela Polícia Federal, ou mesmo civil, basta um mandado. Ou um flagrante.
Vejamos os fatos e os números:Um município com o sugestivo nome de Pendências (RN), recebeu um aporte do governo federal para reerguer moradias populares destruídas por enchentes. Lá foi a CGU e constatou que os reais beneficiados pela ajuda federal havia um vereador e servidores em cargos altos na prefeitura.

São Francisco do Conde (BA) é um dos municípios mais ricos do país, e também um dos mais pobres. Abriga uma super refinaria da petrobrás, a Landulfo Alves (RLAM) e por isso arrecada muito ICMS e recebe ainda royalties. Pobre rico município; recorde em cassações, já teve dois prefeitos cassados.

Não, absoultamente qualquer novidade no mecanismo da roubalheira, o menu é o de sempre: notas frias, superfaturamento, favorecimento de parentes, empreguismo, licitações fraudadas e certamente mais, muito mais.

Caro(a) leitor(a), junte-se à cruzada contra a corrupção, a CGU aceita denúncias pela Internet e mantém sigilo. Se você desconfia de um prefeito, vereador, deputado ou qualuqer funcionário público, denuncie pelo site: http://www.presidencia.gov.br/cgu/form_main.htm
Notem o seguinte: A CGU, Para facilitar o processamento de sua denúncia e a comunicação das providências que vierem a ser adotadas, pede o preenchimento de um formulário. Além disso, a denúncia deve observar os seguintes requisitos:
a) envolver órgão ou entidade do Poder Executivo Federal, ou tratar de recursos públicos dele originados; e saibam os leitores que os municípios recebem recursos (federais) do FPM- Fundo de Participação dos Municípios, logo, podem ser denunciados à CGUb) descrever a irregularidade que implique lesão ou ameaça de lesão ao patrimônio público; ec) conter fundamentação mínima que permita sua apuração.
Portanto, ao invés de apenas reclamar, denuncie. Email: cgu@cgu.gov.br
Não há porque ter medo, um sentimento que não combina com liberdade.

(*) Luiz Leitão, São Paulo, Brasil.
luizleitao@allsites.com.br

0 Comments:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home