.comment-link {margin-left:.6em;}

Blog do Armando Anache e "A luta de um repórter ..." http://aaanache.googlepages.com/home

"Tudo o que é verdade merece ser publicado, doa a quem doer" (Armando Anache) "De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver crescer as injustiças, de tanto ver agigantar-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar-se da virtude, a rir-se da honra, a ter vergonha de ser honesto" (Rui Barbosa) "Se pudesse decidir se devemos ter um governo sem jornais ou jornais sem governo, eu não vacilaria um instante em preferir o último" (Thomas Jefferson)

Minha foto
Nome:
Local: Pantanal de Mato Grosso do Sul, Brazil

Jornalista (MTb 15083/93/39/RJ) formado pela PUC-RJ em 1987 e radialista (MTb 091/MS)- Produtor de programas de rádio e repórter desde 1975; cursou engenharia eletrônica na UGF (Universidade Gama Filho, RJ) em 1978; formado pelo CPOR-RJ (Centro de Preparação de Oficias da Reserva), 1979, é oficial R/2 da reserva da arma de Engenharia do Exército; fundador e monitor da rádio PUC-RJ, 1983; repórter e editor do Sistema Globo de Rádio no Rio de Janeiro (1985 a 1987); coordenador de jornalismo do Sistema Globo de Rádio no Nordeste, Recife, PE(1988/1989);repórter da rádio Clube de Corumbá, MS (1975 a 2000); correspondente, em emissoras afiliadas no Pantanal, da rádio Voz da América (Voice Of America), de Washington, DC; repórter da rádio Independente de Aquidauana, MS (www.pantanalnews.com.br/radioindependente), desde 1985; editor do site Pantanal News (www.pantanalnews.com.br) e CPN (Central Pantaneira de Notícias), desde 1998; no blog desde 15 de junho de 2005. E-mails: armando@pantanalnews.com.br ; armandoaanache@yahoo.com

quarta-feira, novembro 30, 2005

Artigo: Orçamento realista

O blog publica artigo de Carlito Merss, divulgado no Portal do PT:

Orçamento realista
Por Carlito Merss (*)
A lei orçamentária para 2006 vai representar a melhoria das condições econômicas do país. O controle da inflação, o aumento das exportações, a redução da vulnerabilidade externa e a ampliação do crédito e do investimento consolidam um cenário de crescimento sustentável, com o aumento do PIB e da arrecadação. A armadilha do endividamento público, que vai custar neste ano cerca de R$ 110 bilhões e mais R$ 179 bilhões em 2006, começa a ser estancada, recuando do patamar de 55% do PIB em 2002 para 51% em 2005. A redução da taxa de juros Selic também vai colaborar para a redução do custo da dívida pública.
A mensagem encaminhada pelo Executivo já anuncia R$ 14,3 bilhões de investimentos em 2006, contra R$ 6,4 bi liquidados em 2003. Com as emendas parlamentares, poderemos nos aproximar de um percentual bem próximo dos R$ 20 bi, uma marca histórica.
Quando se iniciou o processo orçamentário, foram sugeridas algumas inovações no relatório preliminar, as quais visam à garantia de uma maior transparência e fidedignidade aos dados orçamentários. Foi aprovada no parecer preliminar a proposta que a projeção de receita seja fixada em apenas dois momentos, no período de análise dos relatórios setoriais e na apresentação do relatório geral. Com isso, deixa-se de lidar, ocasionalmente, com variáveis macroeconômicas e prognósticos inflados sobre a arrecadação, passando-se a tratar realisticamente do volume de recursos disponíveis para programar a despesa pública com efetividade.
Além disso, ao serem atendidas sugestões de parlamentares, está contemplada uma identificação mais aperfeiçoada das emendas à despesa, além de mecanismos que objetivam uma análise de mérito sobre os destaques apresentados durante a votação da lei. Também foi acatado o aumento para R$ 5 milhões nas emendas individuais como forma de oportunizar maior distribuição nacional dos recursos do orçamento federal, com a condicional de que 30% dos valores das emendas individuais sejam destinados à saúde.
Outra orientação adotada é que as emendas ao Plano Piloto de Investimentos (PPI) - parcela do superávit oriunda de negociação com o FMI e que possui uma carteira de investimentos cuja rentabilidade é superior ao pagamento da dívida pública - sejam apresentadas apenas por iniciativa coletiva, de comissão ou de bancada, o que preserva o caráter estruturante do programa, com obras de grande porte e cujo gerenciamento diferenciado tem se revelado uma iniciativa mais dinâmica e eficiente para a realização do investimento público.
Por outro lado, na mensagem do Ministério do Planejamento enviada ao Congresso já estava contemplado o aumento de verbas para a saúde, para a educação, para o programa Bolsa-Família, para a pesquisa científica na Embrapa, para o Pronaf e para o abastecimento agro-alimentar, por exemplo. O salário mínimo, segundo regra aprovada na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), deverá ser elevado para R$ 321,00. Qualquer aumento superior irá significar o impacto de R$ 159 milhões para cada R$ 1,00 concedido a mais.
Enfim, o cobertor é curto e o Parlamento deverá tomar uma decisão política sobre as prioridades na repartição dos recursos arrecadados. Portanto, definida a receita, é preciso deliberar quanto eventualmente vai para o aumento real do salário mínimo, para a compensação da Lei Kandir, para o reajuste dos servidores públicos ou até para políticas seletivas de desoneração tributária, inclusive a tabela do Imposto de Renda da Pessoa Física (IRPF).
Importa, sobretudo, tratar o orçamento com a seriedade que o gasto público e a capacidade contributiva da cidadania merecem. É preciso evitar a especulação de receitas que não se confirmam e que acabam obrigando o contingenciamento e ameaçam a lei orçamentária como instrumento de planejamento governamental. Um orçamento realista é mais educativo para a construção da cidadania.
(*) Carlito Merss, 50, é economista, deputado federal pelo PT/SC e relator geral do Orçamento da União

0 Comments:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home