.comment-link {margin-left:.6em;}

Blog do Armando Anache e "A luta de um repórter ..." http://aaanache.googlepages.com/home

"Tudo o que é verdade merece ser publicado, doa a quem doer" (Armando Anache) "De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver crescer as injustiças, de tanto ver agigantar-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar-se da virtude, a rir-se da honra, a ter vergonha de ser honesto" (Rui Barbosa) "Se pudesse decidir se devemos ter um governo sem jornais ou jornais sem governo, eu não vacilaria um instante em preferir o último" (Thomas Jefferson)

Minha foto
Nome:
Local: Pantanal de Mato Grosso do Sul, Brazil

Jornalista (MTb 15083/93/39/RJ) formado pela PUC-RJ em 1987 e radialista (MTb 091/MS)- Produtor de programas de rádio e repórter desde 1975; cursou engenharia eletrônica na UGF (Universidade Gama Filho, RJ) em 1978; formado pelo CPOR-RJ (Centro de Preparação de Oficias da Reserva), 1979, é oficial R/2 da reserva da arma de Engenharia do Exército; fundador e monitor da rádio PUC-RJ, 1983; repórter e editor do Sistema Globo de Rádio no Rio de Janeiro (1985 a 1987); coordenador de jornalismo do Sistema Globo de Rádio no Nordeste, Recife, PE(1988/1989);repórter da rádio Clube de Corumbá, MS (1975 a 2000); correspondente, em emissoras afiliadas no Pantanal, da rádio Voz da América (Voice Of America), de Washington, DC; repórter da rádio Independente de Aquidauana, MS (www.pantanalnews.com.br/radioindependente), desde 1985; editor do site Pantanal News (www.pantanalnews.com.br) e CPN (Central Pantaneira de Notícias), desde 1998; no blog desde 15 de junho de 2005. E-mails: armando@pantanalnews.com.br ; armandoaanache@yahoo.com

quarta-feira, abril 05, 2006

Artigo de Luiz Leitão: Negociando verdades

O blog publica artigo de Luiz Leitão, colaborador do site Pantanal News:

Negociando verdades
Por Luiz Leitão (*)

A maior prova do envolvimento de ambos, PT e oposição nos malfeitos que a CPI dos Correios apura é o fato de as partes se reunirem para negociar a versão do relatório final da comissão que irá prevalecer. Alguém já viu um inquérito ser objeto de acertos, exceto quando o investigador é corrupto?

Ora, uma investigação lida com indícios, testemunhas, provas materiais, confissões, etc., logo, dentro daquilo que é apurado não há espaço para se deixar de mencionar este ou aquele fato ou pessoa. Tal prática, se admitida, leva o nome de prevaricação.

Após nove meses de gestação, com exames de documentos, oitiva de testemunhas – de resto inúteis, porque desobrigadas pelo Supremo Tribunal Federal de dizerem a verdade -, chega-se a esta ridícula situação de seus integrantes negociarem a verdade.

O relator, deputado Osmar Serraglio (PMDB-PR) “resolveu” que irá aceitar (a pedido do PT) pedir o indiciamento do banqueiro Daniel Dantas. Quer dizer então que se criou um motivo para pedir seu indiciamento, um ato de exceção, a bem dizer, ou havia uma razão, conscientemente desconsiderada pelo relator?

Dentro de seu pacote de bondosas concessões, Serraglio também disse que vai tirar do relatório a menção à filha do ex-ministro Jacques Wagner. Ela trabalhou na empresa GDK, aquela que trabalha para a Petrobrás e presenteou o ex-secretário do partido dos Trabalhadores, Sílvio Pereira, com um Jipão importado Land Rover.

A reunião de negociação ganha ares de comicidade por ser presidida pelo presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), que não faz parte da CPI, mas isto é apenas um insignificante detalhe, num convescote onde o importante é agradar a todos (menos o eleitor; para este o verbo é enganar).

Os petistas usam e abusam de sua cota de negociação nesta peça de teatro, querendo impor um relatório paralelo isentando de indiciamento José Dirceu e Luiz Gushiken, e afirmando que não houve nenhum Mensalão. Assim como as oposições, o pessoal do PT também faz concessões à parte contrária, subvertendo ou omitindo a verdade em benefício do PMDB, entre outros.

O presidente da CPI, senador Delcídio Amaral (PT-MS) recomenda cuidado nestas, digamos, tratativas, pois “infelizmente, nossa imagem (do parlamento) já está no chão. Seria mais sábio e honesto dizer que está já no subsolo. Diz ele ainda que “não é possível não termos um relatório final”.

É possível sim, senador, a CPI do Mensalão terminou sem relatório e a CPI da Terra teve o seu rasgado em plenário,

Ora, sem surpresas, já estamos, nós, eleitores, acostumados e não será nenhuma sandice afirmar que esta comissão – em que pese a sua longevidade – não apurou boa parte das tramóias praticadas e indubitavelmente protegeu muita gente.

Não fosse assim, não haveria esta vergonhosa reunião de conciliação e negociação da verdade.

Quando este artigo tiver sido publicado, certamente suas excelências já terão chegado um acordo, um acordão, melhor dizendo, fruto do qual, entre mortos e feridos, os figurões salvaram-se quase todos.

(*) Luiz Leitão
Administrador e articulista, Brasil
luizleitao@allsites.com.br

0 Comments:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home