.comment-link {margin-left:.6em;}

Blog do Armando Anache e "A luta de um repórter ..." http://aaanache.googlepages.com/home

"Tudo o que é verdade merece ser publicado, doa a quem doer" (Armando Anache) "De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver crescer as injustiças, de tanto ver agigantar-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar-se da virtude, a rir-se da honra, a ter vergonha de ser honesto" (Rui Barbosa) "Se pudesse decidir se devemos ter um governo sem jornais ou jornais sem governo, eu não vacilaria um instante em preferir o último" (Thomas Jefferson)

Minha foto
Nome:
Local: Pantanal de Mato Grosso do Sul, Brazil

Jornalista (MTb 15083/93/39/RJ) formado pela PUC-RJ em 1987 e radialista (MTb 091/MS)- Produtor de programas de rádio e repórter desde 1975; cursou engenharia eletrônica na UGF (Universidade Gama Filho, RJ) em 1978; formado pelo CPOR-RJ (Centro de Preparação de Oficias da Reserva), 1979, é oficial R/2 da reserva da arma de Engenharia do Exército; fundador e monitor da rádio PUC-RJ, 1983; repórter e editor do Sistema Globo de Rádio no Rio de Janeiro (1985 a 1987); coordenador de jornalismo do Sistema Globo de Rádio no Nordeste, Recife, PE(1988/1989);repórter da rádio Clube de Corumbá, MS (1975 a 2000); correspondente, em emissoras afiliadas no Pantanal, da rádio Voz da América (Voice Of America), de Washington, DC; repórter da rádio Independente de Aquidauana, MS (www.pantanalnews.com.br/radioindependente), desde 1985; editor do site Pantanal News (www.pantanalnews.com.br) e CPN (Central Pantaneira de Notícias), desde 1998; no blog desde 15 de junho de 2005. E-mails: armando@pantanalnews.com.br ; armandoaanache@yahoo.com

quarta-feira, maio 16, 2007

Recursos para sanidade são insuficientes, afirmam autoridades

"Não dá para esperar por medida provisória para liberação de recursos", ponderou a secretária de Desenvolvimento Agrário, da Produção, da Indústria, do Comércio e do Turismo do Estado (Seprotur), Tereza Cristina Corrêa da Costa Dias na tarde desta terça-feira (15), em Brasília/DF. Ela participa de audiência pública promovida pela Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento e Desenvolvimento Rural da Câmara dos Deputados, para discutir os problemas sanitários da agricultura e da pecuária brasileira.

Tereza Cristina considera reduzido o investimento do governo federal nas ações e programas de sanidade animal. Atualmente, o governo investe 0,27 dólar (cerca de R$ 0,54) por cabeça de gado na prevenção e combate de doenças. No caso da gripe do Frango, por exemplo, Tereza defende que os recursos estejam disponíveis antes de doença chegar ao Brasil.

O pesquisador da Embrapa em sanidade animal e assessor da Diretoria Executiva da empresa, Fernando Campos, que também participou do debate, compartilha da mesma opinião que a secretária. Segundo ele o recurso disponibilizado pelo governo para defesa sanitária animal é insuficiente, apesar de a principal barreira para os produtos brasileiros no exterior ser a sanitária. "O governo precisa dar maior importância à defesa sanitária animal", destacou.


Até mesmo o secretário de Defesa Agropecuária do Ministério da gricultura (Mapa), Inácio Afonso Kroetz, reconheceu durante a audiência pública que o Ministério trabalha com recursos insuficientes para acompanhar o crescimento do agronegócio.

Segundo o Ministério da Agricultura, o agronegócio brasileiro é responsável por 33% do Produto Interno Bruto (PIB), 42% das exportações totais e 37% dos empregos.


SANIDADE ANIMAL


Em relação à febre aftosa, Kroetz disse que o País aguarda a declaração de Santa Catarina como área livre da doença, sem a necessidade de vacinação. Ele também informou que 5.560 municípios possuem sistema de defesa sanitária regular.

SANIDADE VEGETAL


Kroetz afirmou que, na safra de soja de 2006 e 2007, foram detectados 2.407 focos da ferrugem asiática. Essa praga, causada por fungos, ataca inicialmente as folhas localizadas nas partes baixas da planta. Depois, os pontos escuros (ferrugem) espalham-se pelas folhas. Isso provoca um rápido desfolhamento da planta e a redução no número de vagens, de grãos e do próprio peso do grão. As perdas podem chegar a 100% da produção.

Ainda segundo ele, outra preocupação do ministério está no monitoramento da mosca da fruta, com o objetivo de evitar que a doença atinja estados como Ceará e Paraíba, que estão livres do inseto. A mosca ataca preferencialmente frutos maduros, onde deposita seus ovos. Depois da eclosão, que ocorre no interior dos frutos, a larva completa o ciclo, saindo apenas para se transformar em pupa, o que ocorre no solo. Normalmente há mais de uma larva no interior do fruto.

Também participaram do debate a pesquisadora da Embrapa de recursos genéticos e biotecnologia em sanidade vegetal, Maria Regina Vilarinho de Oliveira; o presidente do Fórum Nacional Permanente de Pecuária de Corte da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), Antenor Nogueira e o representante da Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB), Ivar Caovilla. A audiência foi proposta pelos deputados Waldir Neves (PSDB-MS) e Dagoberto Nogueira(PDT-MS).

Fonte: Cristiane Sandim, do "Notícias.MS", com informações da Agência Câmara.

0 Comments:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home