.comment-link {margin-left:.6em;}

Blog do Armando Anache e "A luta de um repórter ..." http://aaanache.googlepages.com/home

"Tudo o que é verdade merece ser publicado, doa a quem doer" (Armando Anache) "De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver crescer as injustiças, de tanto ver agigantar-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar-se da virtude, a rir-se da honra, a ter vergonha de ser honesto" (Rui Barbosa) "Se pudesse decidir se devemos ter um governo sem jornais ou jornais sem governo, eu não vacilaria um instante em preferir o último" (Thomas Jefferson)

Minha foto
Nome:
Local: Pantanal de Mato Grosso do Sul, Brazil

Jornalista (MTb 15083/93/39/RJ) formado pela PUC-RJ em 1987 e radialista (MTb 091/MS)- Produtor de programas de rádio e repórter desde 1975; cursou engenharia eletrônica na UGF (Universidade Gama Filho, RJ) em 1978; formado pelo CPOR-RJ (Centro de Preparação de Oficias da Reserva), 1979, é oficial R/2 da reserva da arma de Engenharia do Exército; fundador e monitor da rádio PUC-RJ, 1983; repórter e editor do Sistema Globo de Rádio no Rio de Janeiro (1985 a 1987); coordenador de jornalismo do Sistema Globo de Rádio no Nordeste, Recife, PE(1988/1989);repórter da rádio Clube de Corumbá, MS (1975 a 2000); correspondente, em emissoras afiliadas no Pantanal, da rádio Voz da América (Voice Of America), de Washington, DC; repórter da rádio Independente de Aquidauana, MS (www.pantanalnews.com.br/radioindependente), desde 1985; editor do site Pantanal News (www.pantanalnews.com.br) e CPN (Central Pantaneira de Notícias), desde 1998; no blog desde 15 de junho de 2005. E-mails: armando@pantanalnews.com.br ; armandoaanache@yahoo.com

sábado, julho 12, 2008

Artigo: A perda do grande soldado

O blog publica artigo do colega do CPOR (Centro de Preparação de Oficiais da Reserva) do Rio de Janeiro, Israel Blajberg:


Gen Div Domingos Ventura Pinto Junior

Veterano da FEB

27 jun 1915 - 12 jul 2007

1 Ano de Falecimento


Israel Blajberg (*)


Há um ano deixou-nos o Grande Soldado, o Presidente do Conselho Nacional das Associações de Ex-Combatentes do Brasil, porém mais que tudo o lutador pela causa dos Veteranos, o companheiro, amigo leal e dedicado.

Para os que tiveram o privilégio de conhecê-lo, é como se a sua figura ainda sobressaísse aqui entre nós, aportando a orientação firme e segura, levantando a bandeira que agora empunhamos.

"Old soldiers never die, they just fade away" - verso famoso de antiga balada da I Guerra Mundial - Velhos Soldados nunca morrem, eles apenas se afastam, distanciando-se lentamente no tempo e no espaço.

Assim é com o saudoso General. Sua memória estará sempre presente.

Nascido no Rio de Janeiro em 27 de junho de 1915, praça de 1º. de março de 1933. Da Turma de 1935 da Escola Militar do Realengo. Elevado ao Generalato em abril de 1965. Passou para a reserva no posto de General-de-Divisão.


Como Capitão na FEB foi Comandante da Companhia de Obuses 105mm do 11o RI (Regimento Tiradentes), embarcando no 1º. escalão para o Teatro de Operações da Itália em 2 de julho de 1944.


Pioneiro no emprego de obuseiros de 105mm pela Infantaria, tendo como adido ao 3º. Grupo de Obuses, Grupo Souza Carvalho, de março a julho de 1944, realizado a aprendizagem técnica e de emprego da Artilharia.


Por determinação do General Zenóbio da Costa, o Capitão Ventura foi incorporado ao 6º RI (Regimento Ipiranga). Alcançou os diversos postos da carreira sempre por merecimento.

Ao retornar da Itália, ainda no transporte Gen Mann, o General Zenóbio da Costa colocou em seu braço esquerdo o primeiro braçal da Polícia do Exército em tempo de paz. Este gesto simbólico marcou o inicio da PE, com sua estruturação conduzida posteriormente pelo Marechal Euclydes Zenóbio da Costa e seu Ajudante-de-ordens, Major Ventura.

A história e a missão da Polícia do Exército Brasileiro se confundem com a vida e o sonho do Marechal Zenóbio, criador da PE e seu fiel seguidor Gen Ventura, que deu continuidade ao seu trabalho, consolidando a Polícia do Exército.


Pela sua participação na 2ª. Guerra Mundial recebeu a Cruz de Combate de 2a Classe; Medalha de Campanha; e Medalha de Guerra. A última condecoração, recebeu-a no Quartel do CPOR/RJ, aos 9 de maio de 2007, a Medalha da Ordem dos Cavaleiros do Esquadrão Tenente Vaz, a primeira concedida.


Autor de obras sobre a FEB e a PE, era Acadêmico Emérito da Academia de Historia Militar Terrestre do Brasil - AHIMTB, 3°. Ocupante da Cadeira 19 – Marechal Mascarenhas de Moraes, tendo tomado posse em 20 de julho de 2002 em tocante cerimônia no 1°. BPE - General Zenóbio da Costa o qual comandou na Contra Revolução de 1964.


Pelo Instituto de Geografia e Historia Militar do Brasil – IGHMB, foi homenageado com o título de Sócio Honorário, em memorável Sessão de 04 de julho de 2006.


Na tradicional sede do Conselho no Palácio Duque de Caxias, comparecia cotidianamente com muita dedicação para o trabalho em prol dos Veteranos, trazendo orientação segura e palavras amigas, sempre com o pensamento voltado para os colegas necessitados, e para a preservação das Associações filiadas, tudo conseguido através de muita luta e sacrifícios.


Pela derradeira ocasião dirigiu com serenidade e determinação a XXXI Convenção Nacional dos Ex-Combatentes do Brasil realizada no Forte Copacabana em 25 de novembro de 2006, onde participaram dezenas de ex-combatentes de diversos estados brasileiros.


Todos sabiam dos esforços que realizava, lutando contra as enfermidades, mas a noção do dever falou mais forte - o Presidente não poderia deixar sós seus Veteranos, afinal essa era a razão da sua existência, os ideais pelos quais pugnava.


Tudo isso cobrou um tributo pesado a sua saúde, preocupando a todos, até que ocorreu o desfecho inevitável, deste herói que num dia distante de 1944, partiu para o desconhecido em defesa da democracia e da liberdade, retornando com a FEB coberta de glórias.


Há um ano atrás, como hoje, custa a crer que nos tenha deixado, mas o fez com a sensação de missão cumprida, como atestam as muitas medalhas merecidamente conquistadas.


Sua falta é muito sentida não só pela família, mas por todos que privaram do seu convívio.

O Homem se foi, mas o exemplo frutificará, do trabalho ingente, da dedicação aos ideais, da preservação e divulgação da memória da atuação dos combatentes brasileiros da 2ª. Guerra Mundial, apoio aos veteranos menos favorecidos, trabalho voluntário, anônimo e humilde.


Aos 92 anos partiu, adentrando o Portal do Paraíso. Foi uma sentida perda para a Família a quem tão carinhosamente se dedicava, seus inúmeros irmãos de armas, amigos e admiradores, a quem lega o exemplo e inestimável lição de vida.


A melhor homenagem que lhe poderemos prestar será manter desfraldada a bandeira a qual dedicou toda a sua rica existência.


Que a sua alma faça parte da corrente da vida eterna.


(*) iblaj@telecom.uff.br

0 Comments:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home