.comment-link {margin-left:.6em;}

Blog do Armando Anache e "A luta de um repórter ..." http://aaanache.googlepages.com/home

"Tudo o que é verdade merece ser publicado, doa a quem doer" (Armando Anache) "De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver crescer as injustiças, de tanto ver agigantar-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar-se da virtude, a rir-se da honra, a ter vergonha de ser honesto" (Rui Barbosa) "Se pudesse decidir se devemos ter um governo sem jornais ou jornais sem governo, eu não vacilaria um instante em preferir o último" (Thomas Jefferson)

Minha foto
Nome:
Local: Pantanal de Mato Grosso do Sul, Brazil

Jornalista (MTb 15083/93/39/RJ) formado pela PUC-RJ em 1987 e radialista (MTb 091/MS)- Produtor de programas de rádio e repórter desde 1975; cursou engenharia eletrônica na UGF (Universidade Gama Filho, RJ) em 1978; formado pelo CPOR-RJ (Centro de Preparação de Oficias da Reserva), 1979, é oficial R/2 da reserva da arma de Engenharia do Exército; fundador e monitor da rádio PUC-RJ, 1983; repórter e editor do Sistema Globo de Rádio no Rio de Janeiro (1985 a 1987); coordenador de jornalismo do Sistema Globo de Rádio no Nordeste, Recife, PE(1988/1989);repórter da rádio Clube de Corumbá, MS (1975 a 2000); correspondente, em emissoras afiliadas no Pantanal, da rádio Voz da América (Voice Of America), de Washington, DC; repórter da rádio Independente de Aquidauana, MS (www.pantanalnews.com.br/radioindependente), desde 1985; editor do site Pantanal News (www.pantanalnews.com.br) e CPN (Central Pantaneira de Notícias), desde 1998; no blog desde 15 de junho de 2005. E-mails: armando@pantanalnews.com.br ; armandoaanache@yahoo.com

terça-feira, junho 17, 2008

Cobertura política: Entre a imparcialidade e o comprometimento

Do "Observatório da Imprensa":

COBERTURA POLÍTICA
Entre a imparcialidade e o comprometimento

Por Venício A. de Lima, em 17/6/2008

Resultados de pesquisas realizadas por diferentes instituições ao
longo da campanha eleitoral de 2006 revelaram que a cobertura
que os principais jornais e revistas ofereceram dos candidatos a
presidente da República foi desequilibrada, isto é, favoreceu a um
deles. Não foi a primeira vez, certamente, que isso ocorreu, mas
nas eleições de 2006 o fato pôde ser fartamente comprovado e a
cobertura jornalística acabou por transformar-se, no segundo
turno, em tema de debate da própria campanha [cf. V.A. de Lima
(org.), A Mídia nas Eleições de 2006, Editora Fundação Perseu
Abramo, 2007).

Em 2006, apenas a CartaCapital tomou posição editorial a favor
de um dos candidatos. Todas as outras principais revistas e
jornais deixaram de manifestar publicamente sua posição. De
qualquer maneira, a grande mídia sempre insistiu que sua
cobertura é realizada dentro das normas da imparcialidade e
da objetividade jornalística, isto é, sem a intenção de favorecer
a este ou aquele candidato.

Qualquer estudante de jornalismo sabe (ou deveria saber), no
entanto, que imparcialidade e objetividade são princípios
irrealizáveis na prática concreta da apuração e da redação de
notícias, sejam elas de política ou de outra editoria. O que se
busca no jornalismo sério e responsável é minimizar a
contaminação da cobertura pelas preferências pessoais do(a)
repórter e pelos interesses dos donos dos jornais, expressos
nos editoriais e nas colunas de opinião dos respectivos veículos.

Na verdade, uma série de fatores tem tornado a imparcialidade
e a objetividade cada vez mais difíceis na prática jornalística. Um
desses fatores é a transformação das empresas de mídia em
grande conglomerados com interesses amplos e diversificados
em vários setores da economia e, portanto, na formulação de
inúmeras políticas públicas.

Uma das alternativas sempre lembradas para a ausência da
imparcialidade que se manifesta, sobretudo, nas coberturas das
campanhas eleitorais seria que os jornais declarassem publicamente
sua posição política e assumissem a "contaminação" de sua
cobertura jornalística pela posição assumida. O leitor saberia que
o jornal X tem tal posição política e apóia tal candidato e o jornal
Y tem outra posição e apóia outro candidato.

O editorial da Folha

O editorial publicado pela Folha de S. Paulo na sexta-feira (13/6),
em defesa da publicação de entrevistas com candidatos a cargos
eletivos antes da data permitida pela Justiça Eleitoral, coloca dois
elementos interessantes na discussão sobre a cobertura política
dos jornais em períodos eleitorais.

Primeiro, faz uma diferença entre propaganda e material jornalístico.
Para a Folha, o "material jornalístico" – inclusive, entrevistas –
é imparcial e apenas cumpre o dever de informar aos leitores
sobre os candidatos a cargos eletivos. Já a propaganda,
presumivelmente identificada como tal, é "mensagem em geral
paga que tem o intuito de convencer, persuadir" o leitor.

Ora, é sabido que o grande poder da mídia é exatamente tornar
as coisas públicas. Qualquer político precisa de visibilidade (que
só a mídia oferece), mas não basta ter visibilidade, é preciso que
ela seja favorável. Uma matéria jornalística poderá sempre
favorecer ou prejudicar um determinado candidato dependendo
do tipo de visibilidade que ela ofereça: positiva ou negativa. Desta
forma, embora matéria jornalística e propaganda sejam, sim,
diferentes, ambas podem, no entanto, funcionar como fator de
"convencimento" direto e/ou indireto do leitor/eleitor.

Segundo, a Folha argumenta que as limitações da Lei Eleitoral e
das resoluções do TSE se aplicam ao rádio e à televisão – que são
concessões públicas – mas não se aplicam aos jornais. Na verdade,
diz o editorial, "se o jornal desejasse apoiar e promover um
postulante a cargo eletivo, teria pleno direito de fazê-lo".

As emissoras de rádio e de televisão, por serem concessões de
um serviço público, isto é, de todos nós, não podem promover
um determinado candidato porque estaria configurada a quebra
do princípio da "impessoalidade" que rege a prestação de qualquer
serviço público. Mas os jornais não estão sujeitos a essa limitação.
Lembra o editorial corretamente que os jornais "surgiram
vinculados a grupos e partidos políticos".

É verdade. Os jornais chamados "independentes" aparecem com
a necessidade de captar recursos publicitários entre anunciantes
de diferentes posições políticas e partidárias. O jornal não é uma
concessão pública. É uma empresa que sobrevive no mercado
da forma que julgar mais conveniente. Em outras palavras, o
jornal não tem compromisso com o interesse público, o interesse
de todos, como o rádio e a televisão. Pode, eventualmente,
expressar a posição de uma parte, de um partido.

A posição política e seus riscos

Os pontos levantados pelo editorial da Folha de S.Paulo podem
indicar uma saída para a maior transparência das coberturas
jornalísticas nas campanhas eleitorais. Os jornais assumiriam
publicamente sua posição política, o apoio a determinado candidato
e teriam sua credibilidade junto aos leitores alicerçada nessa
posição – e não mais numa suposta imparcialidade da cobertura
política.

Melhor assim do que ter posição política, apoiar um candidato e
"fazer de conta" que a cobertura foi feita com imparcialidade
e objetividade, contrariando as evidências das pesquisas e do
senso comum.

0 Comments:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home