.comment-link {margin-left:.6em;}

Blog do Armando Anache e "A luta de um repórter ..." http://aaanache.googlepages.com/home

"Tudo o que é verdade merece ser publicado, doa a quem doer" (Armando Anache) "De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver crescer as injustiças, de tanto ver agigantar-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar-se da virtude, a rir-se da honra, a ter vergonha de ser honesto" (Rui Barbosa) "Se pudesse decidir se devemos ter um governo sem jornais ou jornais sem governo, eu não vacilaria um instante em preferir o último" (Thomas Jefferson)

Minha foto
Nome:
Local: Pantanal de Mato Grosso do Sul, Brazil

Jornalista (MTb 15083/93/39/RJ) formado pela PUC-RJ em 1987 e radialista (MTb 091/MS)- Produtor de programas de rádio e repórter desde 1975; cursou engenharia eletrônica na UGF (Universidade Gama Filho, RJ) em 1978; formado pelo CPOR-RJ (Centro de Preparação de Oficias da Reserva), 1979, é oficial R/2 da reserva da arma de Engenharia do Exército; fundador e monitor da rádio PUC-RJ, 1983; repórter e editor do Sistema Globo de Rádio no Rio de Janeiro (1985 a 1987); coordenador de jornalismo do Sistema Globo de Rádio no Nordeste, Recife, PE(1988/1989);repórter da rádio Clube de Corumbá, MS (1975 a 2000); correspondente, em emissoras afiliadas no Pantanal, da rádio Voz da América (Voice Of America), de Washington, DC; repórter da rádio Independente de Aquidauana, MS (www.pantanalnews.com.br/radioindependente), desde 1985; editor do site Pantanal News (www.pantanalnews.com.br) e CPN (Central Pantaneira de Notícias), desde 1998; no blog desde 15 de junho de 2005. E-mails: armando@pantanalnews.com.br ; armandoaanache@yahoo.com

quarta-feira, setembro 20, 2006

Artigo de Adilson Luiz Gonçalves: Decisão política

O blog recebe e publica o artigo do colaborador Adilson Luiz Gonçalves:

Decisão política
Por Adilson Luiz Gonçalves (*)
É muito comum, nos vários níveis de administrações públicas, a adoção de"decisões políticas". Teoricamente, elas são justificadas como necessárias para a obtenção de um "bem público maior", mas uma análise um pouco mais detida permitirá constatar que, na maioria dos casos, nada mais são do que retórica para acobertar a absoluta falta de conhecimento técnico dos que as adotam ou de seus assessores. O sistema político-administrativo brasileiro - como o de muitos países - é responsável, em grande parte, por esse estado de coisas, pois exige pouca responsabilidade legal de seus representantes e mantém organogramas muito susceptíveis às mudanças de governo. Cada novo governante chega cheio de idéias e reformula - entenda-se: destrói - quase tudo o que o antecedeu sem, necessariamente, aperfeiçoar nada. Não adianta deixar o governo com "a sua cara" se essa cara for "feia", ou seja, se isso desfigurar e desestabilizar as bases da máquina pública. O aperfeiçoamento é, por princípio, um processo evolutivo e não abortivo!
Mas alguns até apreciam o caos e a competição, pois aproveitam deles para reinar, numa interpretação torta de Machiavel. Só que para a falta de conhecimento - também conhecida como ignorância - ainda há remédio, mas para a arrogância, a truculência e a má-intenção não há perdão! Alheios a isso, alguns políticos e partidos usam e abusam de "decisões políticas": Fazem benfeitorias num local, mas não em outro, de igual carência. Escolhem um leigo, desqualificado, para ocupar um cargo técnico, sob o pretexto de ser um "bom administrador". Deixam de investir em macro-projetos e planos diretores sérios e objetivos - sobretudo na área de infra-estrutura - para dedicar recursos físicos e financeiros para obras de importância relativa, mas com visibilidade maior. Valorizam algumas categorias profissionais, entidades e empresas em detrimento de outras de igual importância e competência.
Os argumentos, via de regra, são esdrúxulos, risíveis ou revoltantes, mas isso pouco lhes importa e qualquer crítica é desqualificada como "intriga de oposição". Decisão política, nas mãos deles, virou sinônimo de clientelismo ou manipulação eleitoreira. E muitos as tomam desrespeitando leis que eles próprios ajudaram a aprovar! Sua esperança é de que passem despercebidas ou de que criem constrangimentos para os que possam vir a questioná-las.
Isso não seria um problema maior se não resultassem, comumente, em desperdício, re-trabalho e inocuidade. Mas isso não lhes preocupa, pois dificilmente eles pagarão a "conta" de seus atos... É certo que quando temos duas necessidades igualmente importantes, mas capacidade financeira para solucionar apenas uma, uma decisão política faz-se necessária. Mas pode haver uma terceira, uma quarta ou uma infinidade de outras áreas, supérfluas, que poderiam servir para financiar ambas. Existem casos em que estruturas sofisticadas e caras são criadas para receber reclamações da população - às vezes em duplicidade ou triplicidade - quando a mesma verba, aplicada diretamente na prevenção de problemas, eliminaria a maioria das reclamações apresentadas. Esse é um dos grandes males da burocracia: Muita gente para mandar e cobrar e poucos recursos, humanos e financeiros, para resolver! Uma decisão política, portanto, só é válida quando contempla a totalidadee - mais do que isso - abdica de interesses político-partidários e corporativos em nome de um bem maior: o interesse público. Não basta, portanto, assumir uma decisão política com a postura de um estadista ou mártir. É preciso sustentá-la com argumentos sólidos, baseados em pareceres técnicos concretos e não na areia movediça de interesses eleitoreiros ou pura vaidade, que prometem o bem para muitos, mas beneficiam poucos: os mesmos! Até hoje só vi uma coisa pior que uma "decisão política" nesses moldes: a indecisão política! Mas ambas decorrem da ignorância, proposital ou não, da prepotência ou do despreparo de maus políticos e seu sequazes: fiéis - às vezes, nem tanto -, voluntariosos - no sentido destrutivo da palavra -, mas nem sempre tecnicamente qualificados e imbuídos de espírito público.
(*) Adilson Luiz Gonçalves
Escritor, Engenheiro e Professor Universitário (UniSantos e Unisanta)
Cursando Mestrado em Educação (UniSantos)
Autor do livro: "Sobre Almas e Pilhas"
http://www.algbr.hpg.com.br
algbr@ig.com.br
Leia outros artigos do autor na página:
http://www.algbr.hpg.com.br/artigos.htm

0 Comments:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home