.comment-link {margin-left:.6em;}

Blog do Armando Anache e "A luta de um repórter ..." http://aaanache.googlepages.com/home

"Tudo o que é verdade merece ser publicado, doa a quem doer" (Armando Anache) "De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver crescer as injustiças, de tanto ver agigantar-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar-se da virtude, a rir-se da honra, a ter vergonha de ser honesto" (Rui Barbosa) "Se pudesse decidir se devemos ter um governo sem jornais ou jornais sem governo, eu não vacilaria um instante em preferir o último" (Thomas Jefferson)

Minha foto
Nome:
Local: Pantanal de Mato Grosso do Sul, Brazil

Jornalista (MTb 15083/93/39/RJ) formado pela PUC-RJ em 1987 e radialista (MTb 091/MS)- Produtor de programas de rádio e repórter desde 1975; cursou engenharia eletrônica na UGF (Universidade Gama Filho, RJ) em 1978; formado pelo CPOR-RJ (Centro de Preparação de Oficias da Reserva), 1979, é oficial R/2 da reserva da arma de Engenharia do Exército; fundador e monitor da rádio PUC-RJ, 1983; repórter e editor do Sistema Globo de Rádio no Rio de Janeiro (1985 a 1987); coordenador de jornalismo do Sistema Globo de Rádio no Nordeste, Recife, PE(1988/1989);repórter da rádio Clube de Corumbá, MS (1975 a 2000); correspondente, em emissoras afiliadas no Pantanal, da rádio Voz da América (Voice Of America), de Washington, DC; repórter da rádio Independente de Aquidauana, MS (www.pantanalnews.com.br/radioindependente), desde 1985; editor do site Pantanal News (www.pantanalnews.com.br) e CPN (Central Pantaneira de Notícias), desde 1998; no blog desde 15 de junho de 2005. E-mails: armando@pantanalnews.com.br ; armandoaanache@yahoo.com

sexta-feira, janeiro 27, 2006

Pantanal: Ibama multa Urucum Mineração e Vetorial Siderúrgica em R$25 mi

Ibama multa siderúrgicas por desmatarem área próxima ao Pantanal. A notícia é de Keite Camacho, repórter da Agência Brasil:
Brasília - Duas siderúrgicas instaladas no Mato Grosso do Sul foram multadas há uma semana pelo Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama). As empresas utilizam o carvão vegetal da região, que também abastece as 58 indústrias de ferro do pólo de Minas Gerais. De acordo com o diretor de Florestas do Ibama, Antônio Carlos Hummel, essas siderúrgicas exercem "forte pressão" sobre o cerrado do Mato Grosso do Sul, de Goiás, do sul da Bahia e de Tocantins.
A penalidade foi aplicada porque as empresas desmataram áreas nativas do estado próximas ao Pantanal. As árvores cortadas seriam queimadas para a produção de carvão vegetal para abastecer o alto forno das siderúrgicas. De acordo com o diretor de Florestas do Ibama, o Código Florestal (lei nº 4.771/65) estabelece que o carvão vegetal deve ser obtido de árvores localizadas em áreas plantadas para este fim e não de vegetação nativa.
"A lei obriga que os que fazem uso do recurso florestal fruto do desmatamento tenham que fazer um plantio equivalente ao que consumiram. A lei obriga ainda que as siderúrgicas, grandes consumidoras de carvão vegetal, se abasteçam de fontes sustentáveis, através de reflorestamento ou manejo florestal. No caso, as duas siderúrgicas do Mato Grosso do Sul não estavam fazendo o plantio equivalente ao que consumiam anualmente. Podem usar o carvão vegetal, mas desde que seja de fontes sustentáveis", explicou.
As empresas multadas foram a Urucum Mineração S/A, em R$ 3,4 milhões, e a Vetorial Siderúrgica Ltda, em R$ 21,6 milhões. O Ibama ainda verifica se o desmatamento ocorreu em áreas autorizadas, aquelas voltadas para a agricultura e pecuária. Se comprovada a irregularidade, as indústrias podem receber novas multas.
Hummel destacou que as siderúrgicas têm direito a todos os recursos estabelecidos por lei e pode demorar para que o valor das multas "caia nos cofres da União". Segundo ele, quando o dinheiro chega ao Ibama é aplicado nas atividades de fiscalização, manutenção dos equipamentos e vistorias. As análises do órgão são feitas a partir das informações fornecidas pelas empresas. Até meados do mês de março, o Ibama terá concluído a análise das informações prestadas pelas siderúrgicas de Minas Gerais.
Segundo Hummel, o Ibama quer firmar um termo de ajustamento de conduta com o Ministério Público de Mato Grosso do Sul e com órgãos ambientais do estado para pressionar as empresas a comprar carvão apenas de origem legal, fazer um cronograma de plantio que atenda à sua necessidade e eliminar da produção o trabalho escravo e infantil.

0 Comments:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home