.comment-link {margin-left:.6em;}

Blog do Armando Anache e "A luta de um repórter ..." http://aaanache.googlepages.com/home

"Tudo o que é verdade merece ser publicado, doa a quem doer" (Armando Anache) "De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver crescer as injustiças, de tanto ver agigantar-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar-se da virtude, a rir-se da honra, a ter vergonha de ser honesto" (Rui Barbosa) "Se pudesse decidir se devemos ter um governo sem jornais ou jornais sem governo, eu não vacilaria um instante em preferir o último" (Thomas Jefferson)

Minha foto
Nome:
Local: Pantanal de Mato Grosso do Sul, Brazil

Jornalista (MTb 15083/93/39/RJ) formado pela PUC-RJ em 1987 e radialista (MTb 091/MS)- Produtor de programas de rádio e repórter desde 1975; cursou engenharia eletrônica na UGF (Universidade Gama Filho, RJ) em 1978; formado pelo CPOR-RJ (Centro de Preparação de Oficias da Reserva), 1979, é oficial R/2 da reserva da arma de Engenharia do Exército; fundador e monitor da rádio PUC-RJ, 1983; repórter e editor do Sistema Globo de Rádio no Rio de Janeiro (1985 a 1987); coordenador de jornalismo do Sistema Globo de Rádio no Nordeste, Recife, PE(1988/1989);repórter da rádio Clube de Corumbá, MS (1975 a 2000); correspondente, em emissoras afiliadas no Pantanal, da rádio Voz da América (Voice Of America), de Washington, DC; repórter da rádio Independente de Aquidauana, MS (www.pantanalnews.com.br/radioindependente), desde 1985; editor do site Pantanal News (www.pantanalnews.com.br) e CPN (Central Pantaneira de Notícias), desde 1998; no blog desde 15 de junho de 2005. E-mails: armando@pantanalnews.com.br ; armandoaanache@yahoo.com

segunda-feira, fevereiro 27, 2006

Desmascarada a farsa das roletas em Aquidauana

Fotos de Armando Anache/Pantanal News













Observado por um segurança particular, policial militar retira da área cercada pela prefeitura de Aquidauana, na Avenida Doutor Sabino, rapaz que havia brigado durante o carnaval de rua.














Na área de acesso (à direita) e de saída (à esquerda) da Avenida Doutor Sabino as pessoas entram e saem livremente. Se desejar, o folião pode voltar, passando novamente pela roleta, à área do carnaval de rua, cercada pela prefeitura.














Foliões passam pela roleta instalada na Avenida Doutor Sabino. Se desejar, o folião pode entrar cem vezes, sair outras cem e entrar novamente na área do carnaval de rua. Asim, a roleta terá marcado a "entrada" de 100 pessoas quando, na realidade, somente uma rodou o marcador.














Público estimado entre 800 e 1.000 pessoas assiste a apresentação de uma banda, no trio elétrico contratado pela prefeitura de Aquidauana.

O blog conferiu de perto os números marcados pela roleta de acesso à Avenida Doutor Sabino, conhecida como Pantaneta, em Aquidauana, cidade a 135 quilômetros a oeste de Campo Grande. A prefeitura divulgou que a roleta, instalada no acesso à área cercada da Avenida da Pantaneta, onde é realizado o carnaval popular, marcou o número de 7.000 pessoas na noite de sábado.
Intrigado com o número de sete mil pessoas presentes à Avenida, que na noite anterior de sexta-feira recebera pouco mais de 400 especatadores, que esperaram a noite toda pela presença do prefeito Luiz Felipe Ribeiro Orro (PDT), que entregaria a chave da cidade ao Rei Momo, fui conferir no local os dados divulgados.
Realmente, o número de pessoas presentes na Avenida Doutor Sabino nesta madrugada era bem maior do que aquele que vi na sexta-feira (24). Conversei com policiais militares presentes ao evento e chegamos à conclusão de que entre 1.000 e 1.500 pessoas estavam no carnaval de rua.
Também fui informado de que na noite de sábado o número de foliões foi bem maior do que nesta madrugada de segunda-feira de carnaval.
Mas para chegar a 7.000 pessoas ainda faltava muita gente.
Acontece que a roleta instalada no acesso à Avenida Doutor Sabino - veja as fotos acima, que tirei nesta madrugada - é livre aos foliões, que são revistados antes de entrar na área cercada pela prefeitura e onde está estacionado o trio elétrico que toca axé-music e funk, em pelo reinado de momo.
Perguntei aos eficientes seguranças - a segurança tem sido muito boa, com policiais militares e funcionários de uma empresa privada e presenciei a retirada de um rapaz que havia se envolvido numa briga no interior da área cercada - se, depois de entrar na Pantaneta, passando pela roleta, eu poderia sair pela lateral esquerda e entrar novamente na área cercada.
A resposta foi "sim". Ou seja, se eu desejasse, poderia entrar passando pela roleta, sair e entrar novamente, rodando mais uma vez o número marcado como sendo de pessoas que entraram para o carnaval de rua.
Assim, pode-se "inflar" o número de pessoas que estariam presentes ao carnaval de rua. Portanto, o número marcado na roleta não pode ser considerado, em hipótese alguma, como sendo o número real de pessoas que entraram na Avenida Doutor Sabino.
Acreditar no número mostrado pelas roletas equivale a crer na realidade irreal de dados irreais. É o que eu chamo de "assessoria autista de imprensa" - com todo o respeito aos autistas, que merecem todo o respeito deste blogueiro -, que cria a todo momento dados inverídicos e não baseados em critérios científicos ou em cálculos minimamente confiáveis, como por exemplo o cálculo de quatro pessoas por metro quadrado, num evento ao ar livre, usado em todo o mundo para o cálculo de multidões.
Para quem não sabe, a pessoa autista ou aquela que sofre de autismo - e volto e frisar o respeito que tenho por todos os autistas - tem essa definição dada pelo dicionário Houaiss:
"Rubrica: psiquiatria.
Polarização privilegiada do mundo dos pensamentos, das representações e sentimentos pessoais, com perda, em maior ou menor grau, da relação com os dados e exigências do mundo circundante (grifo do blog)
Etimologiafr. autisme (1923) 'id.', emprt. ao al. Autismus (1911), termo criado por E. Bleuler, psiquiatra suíço, que afirmou em uma Nota "Autismus é mais ou menos o mesmo que Freud chama de Autoerotismus", der. do gr. autós 'de si mesmo'; cf. ing. autism (1912) 'id.';..."
O blog espera e torce para que ninguém perca, em maior ou menor grau, a relação com os dados e exigências do mundo circundante, pois mentir para si próprio não resulta em nada benéfico para a comunidade.
Só isso. Ou tudo isso.
"De leve", como escrevia o grande colunista carioca Ibrahim Sued, do jornal "O Globo".
E "ademã", que eu vou em frente. Afinal, os cães ladram e a a caravana passa.

1 Comments:

Blogger fauzi said...

Na lógica de nossas autoridades, tudo tem que parecer extraordinário, incrível, mas como a realidade teima em desmentir esse desejo, muda-se a descrição da realidade.De verdade tinha 1500 pessoas, mas na imprensa vai sair 7000. Aliás 7000 é o número de foliões que prestigiou o carnaval de rua de Campo Grande. E lá estão qualificando esse número de "multidão". Com toda a certeza não tivemos esse público em nenhum dia na avenida.

terça-feira, fevereiro 28, 2006 8:30:00 AM  

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home