.comment-link {margin-left:.6em;}

Blog do Armando Anache e "A luta de um repórter ..." http://aaanache.googlepages.com/home

"Tudo o que é verdade merece ser publicado, doa a quem doer" (Armando Anache) "De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver crescer as injustiças, de tanto ver agigantar-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar-se da virtude, a rir-se da honra, a ter vergonha de ser honesto" (Rui Barbosa) "Se pudesse decidir se devemos ter um governo sem jornais ou jornais sem governo, eu não vacilaria um instante em preferir o último" (Thomas Jefferson)

Minha foto
Nome:
Local: Pantanal de Mato Grosso do Sul, Brazil

Jornalista (MTb 15083/93/39/RJ) formado pela PUC-RJ em 1987 e radialista (MTb 091/MS)- Produtor de programas de rádio e repórter desde 1975; cursou engenharia eletrônica na UGF (Universidade Gama Filho, RJ) em 1978; formado pelo CPOR-RJ (Centro de Preparação de Oficias da Reserva), 1979, é oficial R/2 da reserva da arma de Engenharia do Exército; fundador e monitor da rádio PUC-RJ, 1983; repórter e editor do Sistema Globo de Rádio no Rio de Janeiro (1985 a 1987); coordenador de jornalismo do Sistema Globo de Rádio no Nordeste, Recife, PE(1988/1989);repórter da rádio Clube de Corumbá, MS (1975 a 2000); correspondente, em emissoras afiliadas no Pantanal, da rádio Voz da América (Voice Of America), de Washington, DC; repórter da rádio Independente de Aquidauana, MS (www.pantanalnews.com.br/radioindependente), desde 1985; editor do site Pantanal News (www.pantanalnews.com.br) e CPN (Central Pantaneira de Notícias), desde 1998; no blog desde 15 de junho de 2005. E-mails: armando@pantanalnews.com.br ; armandoaanache@yahoo.com

quinta-feira, abril 17, 2008

Descontinuidade de ações em ano eleitoral oferece risco de epidemia de dengue em 2009

Em apresentação feita hoje aos integrantes do Conselho Nacional de Saúde (CNS), o secretário de Vigilância em Saúde, Gerson Penna, reafirmou a preocupação do Ministério da Saúde com possível descontinuidade das ações contra a dengue no período eleitoral. “Precisamos manter o processo democrático sem prejudicar a manutenção do controle da dengue”, afirmou Penna.

Em sua palestra, o secretário ressaltou a necessidade de os municípios fazerem levantamento e divulgação dos dados epidemiológicos apurados em suas respectivas cidades. Dessa forma, prosseguiu,é possível manter o alerta para a população, que pode reforçar o combate ao Aedes aegypti, mosquito transmissor da doença.

Outro importante aspecto é o aprimoramento da articulação intersetorial entre as esferas de governo federal, estaduais e municipais, bem como entre as áreas da saúde, meio ambiente, infra-estrutura e educação, além da participação popular.

A questão da descontinuidade das ações contra a dengue, pelas prefeituras, em períodos eleitorais, tem sido repetidas vezes abordada por fontes do governo federal, inclusive pelo presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva. Durante solenidade essa semana, em Brasília, o presidente Lula convocou os prefeitos e toda a população brasileira para que façam um mutirão contra a dengue, evitando uma epidemia em 2009.

O secretário adjunto de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, Fabiano Pimenta, também chama a atenção quanto à questão da descontinuidade de ações durante o período eleitoral. “É muito importante que os prefeitos mantenham os seus esforços contra a dengue durante e após o período eleitoral”, alertou Pimenta.

Para o Ministério da Saúde, a dengue requer vigilância permanente. Um dos motivos para tal preocupação é o risco de dispersão do vírus tipo 2 da doença (DEN 2), reintroduzido no país. A manutenção das ações é de fundamental importância, considerando que a dispersão do DEN 2 pode vir a causar epidemias em 2009.

Alguns dos outros fatores que reforçam a preocupação do MS com relação à permanência da dengue no Brasil são a concentração de 81% da população brasileira em grandes centros urbanos e os problemas de saneamento que obrigam pessoas a acumular água em tambores, tonéis, potes ou tanques, e que podem se transformar em criadouros do mosquito da dengue.

Além desses aspectos, que dificultam o controle da doença, a dengue é uma doença que extrapola o campo da saúde pública, e que exige ações intersetoriais, envolvendo desde infra-estrutura das cidades, meio ambiente, educação, assim como a mobilização da população.

De acordo com o secretário adjunto, a dengue acomete a cerca de 100 países, onde 2,5 bilhões de pessoas vivem sob o risco de contrair a doença.


As informações são da Agência Saúde

0 Comments:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home