.comment-link {margin-left:.6em;}

Blog do Armando Anache e "A luta de um repórter ..." http://aaanache.googlepages.com/home

"Tudo o que é verdade merece ser publicado, doa a quem doer" (Armando Anache) "De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver crescer as injustiças, de tanto ver agigantar-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar-se da virtude, a rir-se da honra, a ter vergonha de ser honesto" (Rui Barbosa) "Se pudesse decidir se devemos ter um governo sem jornais ou jornais sem governo, eu não vacilaria um instante em preferir o último" (Thomas Jefferson)

Minha foto
Nome:
Local: Pantanal de Mato Grosso do Sul, Brazil

Jornalista (MTb 15083/93/39/RJ) formado pela PUC-RJ em 1987 e radialista (MTb 091/MS)- Produtor de programas de rádio e repórter desde 1975; cursou engenharia eletrônica na UGF (Universidade Gama Filho, RJ) em 1978; formado pelo CPOR-RJ (Centro de Preparação de Oficias da Reserva), 1979, é oficial R/2 da reserva da arma de Engenharia do Exército; fundador e monitor da rádio PUC-RJ, 1983; repórter e editor do Sistema Globo de Rádio no Rio de Janeiro (1985 a 1987); coordenador de jornalismo do Sistema Globo de Rádio no Nordeste, Recife, PE(1988/1989);repórter da rádio Clube de Corumbá, MS (1975 a 2000); correspondente, em emissoras afiliadas no Pantanal, da rádio Voz da América (Voice Of America), de Washington, DC; repórter da rádio Independente de Aquidauana, MS (www.pantanalnews.com.br/radioindependente), desde 1985; editor do site Pantanal News (www.pantanalnews.com.br) e CPN (Central Pantaneira de Notícias), desde 1998; no blog desde 15 de junho de 2005. E-mails: armando@pantanalnews.com.br ; armandoaanache@yahoo.com

terça-feira, maio 06, 2008

Novo presidente do TSE condena registro de candidatos com processos

Se depender do novo presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), candidatos que tiverem contas a prestar à Justiça não poderão disputar os votos da população brasileira no futuro. Essa posição ficou clara no discurso de posse do magistrado sergipano, na noite de hoje, quando previu que o órgão terá que enfrentar fundamentais questionamentos para a qualidade de vida política do país, como o pedido de registro de "uma candidatura notoriamente identificada pela tarja de processos criminais e ações de improbidade administrativa, que, pelo seu avultado número, sinalizam um estilo de vida do mais aberto namoro com a delitividade".

"Será que não começa por aí a concretização da idéia-força de que o povo merece o melhor?", interrogou-se Ayres Brito, antes de ressaltar que a palavra "candidato" vem de cândido, limpo, depurado, enquanto o vocábulo "candidatura", convergentemente, não significa senão candura, pureza, depuração ético-representativa. Amanhã (7), às 11h, na sede do TSE, em Brasília, o ministro Ayres Brito dará sua primeira entrevista coletiva como presidente do órgão, para explicar esta e outras posições reveladas no seu discurso de posse.

Ayres Brito tomou posse para um mandato de dois anos, juntamente com o vice-presidente Joaquim Barbosa. Os dois vão comandar a organização das eleições municipais de outubro deste ano. Pelo sistema de rodízio na presidência do TSE, caberá a Joaquim Barbosa assumir a presidência e comandar o processo eleitoral de 2010, quando será escolhido o novo presidente da República.

O novo presidente da TSE aproveitou a presença dos presidentes da Câmara, Arlindo Chinaglia (PT-SP), e do Senado, Garibaldi Alves (PMDB-RN), além do ministro da Fazenda, Guido Mantega, e inúmeros outros políticos, para atacar a corrupção na política do país. Segundo ele, falar de qualidade de vida política requer, de um lado, "a eterna vigilância contra aqueles políticos que não perdem oportunidade para fazer de sua caneta um pé-de-cabra e, de outro, valorizar os que tornam a política a mais essencial, a mais bonita, a mais realizadora de todas as vocações humanas: a vocação de servir a todo o povo".

O ministro Carlos Ayres Brito citou ainda outros temas que poderão ser enfrentados pela Justiça Eleitoral em sua gestão para melhorar a qualidade de vida política no país: fidelidade dos partidos aos seus programas; partidos com proprietários ou donos, "cartorialmente oligarquizados, como se fossem a mais colonial das fazendas de gado"; regras de exclusão em que se traduzem o quociente eleitoral e o fenômeno das sobras de votos, que possibilitam a candidatos e partidos se apropriarem de sufrágios que não receberam da pia batismal das urnas".

Outro ponto levantado por ele, como passível de modificação pela Justiça Eleitoral, foi a suplência dos senadores e candidaturas de vices do Poder Executivo, que não aparecem na tela da urna eletrônica. Para ele, a Justiça pode informar melhor o eleitor, divulgando foto e nome dos suplentes "que poderão até ficar no lugar dos titulares sem, no entanto, receber diretamente um voto sequer.

As regras atuais sobre o uso dos órgãos de comunicação social como veículos de interação com o eleitorado foi outro ponto abordado pelo ministro como passível de revisão. Ele também levantou dúvidas se as políticas públicas de conteúdo social e as obras de infra-estrutura econômica e também de cunho social deverão sofrer paralisia em ano eleitoral.

As informações são de Jorge Wamburg, da Agência Brasil

Comentário do blog: O que o(a) leitor(a) acha deste tema? Dê a sua opinião, clicando aqui embaixo, em "comments" (comentários).
Esta notícia será tema de debate amanhã (7), no Programa Armando Anache, na rádio Independente, das 8 horas ao meio-dia (horário de Mato Grosso do Sul).
Não é preciso identificação, se você preferir.

0 Comments:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home