.comment-link {margin-left:.6em;}

Blog do Armando Anache e "A luta de um repórter ..." http://aaanache.googlepages.com/home

"Tudo o que é verdade merece ser publicado, doa a quem doer" (Armando Anache) "De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver crescer as injustiças, de tanto ver agigantar-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar-se da virtude, a rir-se da honra, a ter vergonha de ser honesto" (Rui Barbosa) "Se pudesse decidir se devemos ter um governo sem jornais ou jornais sem governo, eu não vacilaria um instante em preferir o último" (Thomas Jefferson)

Minha foto
Nome:
Local: Pantanal de Mato Grosso do Sul, Brazil

Jornalista (MTb 15083/93/39/RJ) formado pela PUC-RJ em 1987 e radialista (MTb 091/MS)- Produtor de programas de rádio e repórter desde 1975; cursou engenharia eletrônica na UGF (Universidade Gama Filho, RJ) em 1978; formado pelo CPOR-RJ (Centro de Preparação de Oficias da Reserva), 1979, é oficial R/2 da reserva da arma de Engenharia do Exército; fundador e monitor da rádio PUC-RJ, 1983; repórter e editor do Sistema Globo de Rádio no Rio de Janeiro (1985 a 1987); coordenador de jornalismo do Sistema Globo de Rádio no Nordeste, Recife, PE(1988/1989);repórter da rádio Clube de Corumbá, MS (1975 a 2000); correspondente, em emissoras afiliadas no Pantanal, da rádio Voz da América (Voice Of America), de Washington, DC; repórter da rádio Independente de Aquidauana, MS (www.pantanalnews.com.br/radioindependente), desde 1985; editor do site Pantanal News (www.pantanalnews.com.br) e CPN (Central Pantaneira de Notícias), desde 1998; no blog desde 15 de junho de 2005. E-mails: armando@pantanalnews.com.br ; armandoaanache@yahoo.com

sexta-feira, abril 18, 2008

Artigo: Para Pacem (Prepara a paz)

Por Adilson Luiz Gonçalves (*)

Como surgem as fronteiras?
Elas surgem de acidentes geográficos... E de incidentes humanos!
Interesses políticos, econômicos, étnicos e religiosos multiplicam essas
muralhas de pedra ou pensamento desde o início da civilização. São
símbolos do poder temporal, efêmero, quase sempre sustentado com mentiras,
intolerância e violência. Demonstram, na verdade, uma renitente e
cultivada incapacidade de superação das limitações humanas, pelo uso
inadequado daquilo que deveria nos diferenciar dos outros seres vivos: a
razão!
Aos gananciosos, sádicos e ávidos de poder interessa expandi-las e impor
suas condições, mesmo que para isso tenham que preparar e fazer guerras,
onde inocentes perderão a liberdade, a sanidade ou vida em nome de seus
caprichos e desejos mesquinhos! Mas para os que crêem no futuro da
humanidade, as fronteiras são um desafio a ser superado mediante uma
estratégia muito mais audaciosa: Conhecer, entender, conviver e evoluir!
Coisa de sábios e cultos? Não! Coisa de crianças, que com seu "esperanto"
natural e sua alma pura são capazes de ignorar diferenças e olhar as
pessoas, a vida e o mundo sem fronteiras nem abismos. Para elas viver é um
imenso, divertido, querido e maravilhoso brinquedo!
Mas o que as faz perder essa pureza e divina universalidade?
São as fronteiras de espírito: preconceitos e medos, quase sempre
anacrônicos, infundados ou tendenciosos, que lhes transmitimos ou impomos!
Sim, porque o ódio e a discriminação racial, religiosa, cultural e social
são ensinados, ora sob o manto dissimulado de tradições e "valores
culturais", ora com requintes "científicos" e sofisticados, justificados
nas teses de doutores em estupidez e discórdia. Patéticas "escolas", que
restringem escolhas, tolhem o discernimento, descartam ou destroem o que
não compreendem ou dominam, confundem educação com adestramento e
pacifismo com covardia!
Mas, e se todas as religiões e correntes filosóficas do mundo resolvessem
ensinar apenas um princípio: o amor ao próximo, com a didática do exemplo
sincero e do diálogo franco e conciliador? E se entendêssemos que antes de
ensinar nossa ciência às crianças é preciso aprender com elas e resgatar o
que já fomos? Ensinar o bem sem perder o que já existe de bom!
Talvez essa seja a utopia das utopias, mas nada é impossível para quem,
como uma criança, não tiver fronteiras no espírito nem sombras no
pensamento!
Coisa de esperança... Coisa de fé! E se a fé remove montanhas, o que nos
impede de remover as várias, inexplicáveis e insustentáveis barreiras que
nos separam?
Se assim fizermos, as pedras desses muros - que, antes, dividiam -
servirão para pavimentar os caminhos que reaproximarão e deixarão fluir e
integrar a humanidade! Justiça poética...
A partir daí os obstáculos serão contornados ou transpostos, com
inteligência lúdica, e os caminhos aplainados e iluminados, com a
sabedoria dos ideais!
Quando atingirmos tal consciência, fronteiras serão, apenas, cercas
floridas, com porteiras sempre abertas; a humanidade será uma grande
família e a paz: uma divina, onipresente e perene conseqüência!

(*) Adilson Luiz Gonçalves
Escritor, Engenheiro e Professor Universitário
www.algbr.hpg.com.br
adilson@unisantos.br - prof_adilson_luiz@yahoo.com.br

0 Comments:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home